Share
A- A A+

Article from:

Creation  Volume 29Issue 3 Cover

Creation 29(3):31–33
June 2007

Creation magazine print - 1 yr new subn


US $25.00
View Item
The Creation Answers Book
by Various

US $14.00
View Item
Creation Magazine Volume 29 Issue 3 Cover

First published:
Creation 29(3):31–33
June 2007

Browse this issue

Subscribe to Creation magazine

A Metamorfose Inexplicável dos Insetos

Por Daniel Devine

Butterfly

Fotografi nga Stephen Atkins

Darwinistas que querem defender a evolução rotineiramente evitam certos tópicos biológicos—principalmente porque tais tópicos refutam quaisquer explanações gradualistas. Um destes é o método singular e complexo pelo qual crescem os insetos.

A metamorfose (das palavras gregas, significando ‘mudança de forma’), descreve como a maioria dos insetos sofre mudanças na passagem do estado juvenil ao adulto, freqüentemente, desenvolvendo estruturas de corpos adultos e formas de vida completamente diferentes daquelas de sua juventude.

Embora a forma juvenil de uma determinada espécie possa parecer uma lagarta glorificada, o adulto pode ter asas de cinco centímetros (2 polegadas) e não ter mandíbulas funcionais. Examinaremos, abaixo, a vida de uma mariposa.

A Metamorfose de Uma Mariposa

Para que a pequena, recém-nascida lagarta cresça e venha a ser uma brilhante mariposa ou borboleta, ela precisa, em primeiro lugar, engordar - e muito. De fato, parece que a lagarta só tem duas preocupações na vida: comer e mudar de pele.

Embora os mamíferos, peixes, aves e répteis tenham esqueletos que sustentam os seus corpos, os artrópodes - incluindo insetos, não os têm. Em vez disto, Deus os desenhou com uma pele dura ou casca (cobertura resistente) chamada de exoesqueleto.

O exoesqueleto de uma lagarta pode parecer mole, mas ele dá à lagarta a sua forma inteira (que, às vezes, inclui espinhos polpudos ou cerdas).

Porém, ele fica flexível o suficiente para permitir esticadas acrobáticas para as folhas mais altas.

Ainda mais, o exoesqueleto não cresce; um exoesqueleto maior se forma, dobrado, debaixo do menor. Quando chega a hora certa, a casca velha e apertada se rompe e a lagarta se mexe cuidadosamente até sair, pronta para provar o seu novo exterior.

Depois de cada muda, a lagarta fica maior e pode ter uma forma ou cor ligeiramente diferentes.1

Butterfly

Photo stock.xchng

Entretanto, lá dentro do corpo da lagarta existem grupos de células - discos imaginais. Estes são posicionados para produzirem asas, pernas articuladas e olhos compostos.

Depois da lagarta ter mudado para o seu tamanho máximo ela prepara-se para ser uma pupa de três maneiras: ao fiar o casulo; furar o solo e permanecer lá por um certo período; ou como no caso da maioria das borboletas, formar uma crisálida.

Enquanto ela fica ali quieta, hormônios do cérebro da lagarta sinalizam ao seu corpo a passagem para a fase adulta.2

Estes hormônios provocam os discos imaginais a explodirem em ação, formando antenas, asas com escamas, órgãos reprodutores, e todas as partes do corpo que um adulto precisa. Até mesmo o sistema muscular deve ser reorganizado para acomodar as asas. Alguns músculos são destruídos, alguns são ‘reconstruídos,’ e outros são formados totalmente novos.3

Quando o adulto mariposa ou borboleta emerge, ele em nada se assemelha com aquela lagarta sinuosa que era.

Completa vs. Incompleta

O tipo de metamorfose descrito até agora, pelo qual passam insetos como mariposas, borboletas, abelhas, moscas e formigas, é conhecido como metamorfose ‘completa’ e tem quatro fases: ovo (1), larva (2), pupa (3) e adulto (4).

No caso da mariposa, a lagarta é a larva, o casulo é a pupa, e a criatura com asas coloridas, que porventura você possa pegar numa rede, é o adulto.

Porém, um segundo tipo de metamorfose é usado por insetos tipo cupim, gafanhoto, grilo, cigarra e afídio.

Este processo envolve passar do ovo (1) à ninfa (2) e depois ao adulto (3) - somente três fases.

Esta metamorfose ‘incompleta’ não inclui a pupa. A ninfa simplesmente parece com um adulto em miniatura, e, cada vez que muda, cresce progressivamente se tornando maior até atingir sua forma adulta, com asas plenamente desenvolvidas e órgãos reprodutores.

Cada fase da vida do inseto é crucial. Os Darwinistas enfrentam problemas colossais quando procuram explanar a origem da metamorfose, se baseando em mutações aleatórias e seleção natural, porque qualquer brecha ou erro no ciclo, normalmente, mata o inseto ou impede a reprodução.

Se uma lagarta não consegue se libertar do seu velho exoesqueleto, ela não pode formar um casulo ou crisálida, ou, se não consegue reformar músculos ou desenvolver novas partes do corpo dentro da pupa, ela morre. Ela nunca se tornaria um adulto, e, conseqüentemente, não poderia se reproduzir.

Transformação Espetacular

A teoria de evolução também falha em dar uma explicação razoável em relação à diversidade do crescimento dos insetos.

Considere os períodos de tempo que as várias espécies usam para seu desenvolvimento.

Ninfas da cigarra cavam debaixo do solo e passam até 17 anos se alimentando das raízes das árvores antes de emergirem para atingirem a fase adulta.

A larva de certas moscas pode se tornar pupa uma semana depois de nascer, e alguns afídios nascem, mudam, reproduzem e morrem em pouco mais de dez dias.4

A larva aquática de alguns insetos, como a efêmera e o mosquito, de modo especial incomoda os evolucionistas.

Efêmeras são chamadas falsamente de ‘o mais primitivo inseto voador’,5mas de jeito algum elas são primitivas.

Antes, elas vivem dois ou três anos na água, respirando com brânquias, como peixes, para enfim emergirem ao ar como adultos. Então elas vivem somente um dia para enxamear, acasalar e pôr os ovos.

Os mosquitos também passam suas fases de larva e pupa na água antes de emergirem como adultos para voarem, sugarem sangue (pelo menos as fêmeas o fazem), e se reproduzirem.

A fêmea de uma espécie de mariposa aquática passa toda a sua vida debaixo da água, enquanto o macho adulto voa livremente, retornando à água somente para acasalar.

Os insetos aquáticos são simplesmente diversos demais para a teoria da evolução prever, ao ponto em que os Darwinistas são forçados a admitir que a vida aquática ‘foi desenvolvida por espécies sem conexão alguma.’7

A Metamorfose Social

Se tudo isto não fosse suficiente, não poderíamos ignorar a metamorfose de insetos sociais como as formigas.

As larvas de formigas não têm pernas e são incapazes de localizar comida, se deslocar, ou se limpar. Elas são totalmente dependentes do cuidado, 24 horas por dia, das formigas obreiras adultas, sem as quais as larvas morreriam em pouco tempo.

As pequenas formigas precisam das obreiras adultas até para liberá-las das suas pupas no final daquela fase.8

Se não houvesse, entre as formigas, uma sociedade complexa e interdependente desde o início, como seria possível a larva ‘pré-histórica’ da formiga sobreviver?

Só a Bíblia tem a resposta plausível: Deus as criou para viverem numa sociedade desde o início, da mesma maneira que criou lagartas para devorarem folhas, ninfas da efêmera para nadarem, e mariposas para voarem e reproduzirem-se.

As características das fases da metamorfose não se desenvolveram de maneira aleatória através do tempo. Do ovo até a idade adulta, os insetos seguem um plano singular que foi projetado para eles por Deus.

Fases da Borboleta-Monarca (Danaus plexippus)

Photos by Bob Moul, <www.Pbase.com/rcm1840>.

Fases da Borboleta-Monarca

  1. A lagarta (larva) da Monarca, alimenta-se da folha da planta asclépia (da família Asclepiadaceae). A larva nasce do ovo, e fica nesta fase por quase duas semanas, a depender da temperatura.
  2. A pupa (crisálida) da Monarca. As lagartas se fixam de cabeça para baixo num ramo conveniente. Elas mudam a casca externa e fiam um casulo, para se transformar na pupa (crisálida). É aqui que acontece uma transformação incrível, na qual a maior parte dos tecidos da lagarta se dissolvem e são transformados numa borboleta - controlado pelo programa genético do inseto. No início, parece um encerado vaso de jade.
  3. A pupa da Monarca, momentos antes de emergir a borboleta. Ao se desenvolverem os processos da metamorfose,a crisálida se torna mais e mais transparente, para que as cores da borboleta possam ser vistas. Logo depois de tirar esta fotografia, a borboleta saiu.
  4. Uma Monarca recém-emergida com a casca da crisálida. Depois de 9 a 15 dias, a borboleta finalmente emerge. As asas inflam mediante o bombear de sangue, o qual sai diretamente de um reservatório de sangue localizado no abdômen e parte em direção às veias das asas.

    A borboleta aguarda até que as asas endureçam e se sequem para sair voando, iniciando novamente o ciclo de vida.

  5. A Monarca fêmea adulta. Veias mais grossas e a falta de nódulos nas veias das asas posteriores e superiores separam a fêmea do macho da Monarca.

Pode a evolução explicar a metamorfose completa?

Na edição da revista Nature, 1999, dois cientistas (James Truman e Lynn Riddiford) apresentaram sua hipótese de como a metamorfose completa se evoluiu.

No artigo, os autores tentaram explicar a evolução da metamorfose quatro-fases a partir da metamorfose três-fases, propondo que a última na realidade têm quatra fases. 1

Estes autores denominaram, de maneira arbitrária, esta quarta fase de ‘pró-ninfa’, e a descreveram como sendo um período que sempre procede à primeira muda, e que varia em duração entre as várias espécies, às vezes terminando assim que o inseto nasce do seu ovo.2 Esta ‘pró-ninfa’, eles argumentaram, evoluiu-se para a larva moderna.

Em termos mais claros, alguns insetos antigos nasceram do seu ovo cedo demais e começaram a procurar comida.

Continuou a evolução até que o inseto pudesse ficar durante muitas semanas nesta forma prematura de lagarta, finalmente terminando a metamorfose na fase bastante demorada de pupa, que, de acordo com estes autores se encurtou e evoluiu para a pupa moderna.

Um problema fatal com esta idéia é que a subdesenvolvida ‘pró-ninfa’, como descrita na Nature, não come!

Ela necessitaria de um sistema completo de digestão e da capacidade para morder, mastigar e engolir se fosse sobreviver e crescer para ser um adulto.

Truman e Riddiford argumentaram que a ‘pró-ninfa’ pôde vencer estas dificuldades e gradualmente evoluir ao ponto de poder comer, se mover, e supostamente se defender.

A defesa é de suma importância num mundo de ‘sobrevivência do mais forte’, e abala o bom pensamento imaginar como a primeira, infantil ‘pró-ninfa’ era mais segura e melhor preparada pela evolução do que uma ninfa normal, totalmente desenvolvida!

Uma melhor explanação é que a metamorfose de quarta fases foi criada independente e completamente funcional.

Referências

  1. Truman, J.W. e Riddiford, L.M., The origins of insect metamorphosis, (A Origem da Metamorfose dos Insetos), Nature 401(6752):447–452, 30 Setembro 1999
  2. Ref. 1, p. 448

Referências

  1. Goor, R. e N., Insect metamorphosis:from egg to adult, (A Metamorfose dos Insetos:do ovo até o Adulto) Atheneum, Nova Yorque pp.6–8, 1990. Volte para o texto.
  2. Wigglesworth,V.B., Hormônios dos Insetos, Departamento de Publicações Cientistas, Carolina Biological Supply Company, Oxford University Press, 1983. Volte para o texto.
  3. Chapman, R.F., Os Insetos:Estrutura e Função, The English Universities Press Ltd, London, pp. 410–415, 1969. Volte para o texto.
  4. Farb, P., Os Insetos, A Biblioteca da Natureza da Vida, Time-Life Books, New York, p.61, 1962. Volte para o texto.
  5. Burnie, D. e Wilson, D., Animal, Smithsonian Institution, Dorling Kindersley, Nova Yorque, p.551, 2001. Volte para o texto.
  6. Ref.4, p. 145. Volte para o texto.
  7. Ref. 4, p. 142. Volte para o texto.
  8. Doering, H. e McCormick, J.M., Nasce uma Formiga, Sterling Publishing Co., Inc., Nova Yorque, pp. 7–16, 1973. Volte para o texto.
Traduzido por F. D. Callis, Jr. This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
As fotografias são usadas com permissão de Bob Moul dos EUA. Veja o site dele:
"PROTECTING NATURE THROUGH EDUCATION" (Protegendo a Natureza Através da Educação) http://www.PBase.com/rcm1840

6,000 years of earth history. That's a long time in our opinion! Over 8,000 free web articles on creation.com. That's a lot of information! Take advantage of this free information but please support CMI as God provides. Thank you. Support this site

Copied to clipboard
5540
Product added to cart.
Click store to checkout.
In your shopping cart

Remove All Products in Cart
Go to store and Checkout
Go to store
Total price does not include shipping costs. Prices subject to change in accordance with your country’s store.