Also Available in:

A Terra é ‘Extraordinariamente Especial’?

por Jonathan Sarfati

O astrônomo Thomas Clake, da Universidade Central da Flórida, em Orlando, recentemente fez uma declaração espantosa: ‘É um tanto deprimente achar que planetas semelhantes à Terra’são extraordinariamente especiais.’ 1

Evidência que a Terra é Especial

Image by Reto Stöckli, Nazmi El Saleous and Marit Jentoft-Nilsen, NASA GSFC Earth
O Singular Planeta Azul
A terra é singular entre todos os corpos planetários descobertos até hoje. Sua distância do sol, o gradiente da temperatura que permite água no seu estado líquido e sua variedade de vida orgânica apontam para um Designer (Projetista) Inteligente, que criou o mundo para ser um lugar ideal para vida.

Por que isto deveria ser ‘deprimente’? Aqueles que crêem na Bíblia deveriam estar eufóricos – afinal de contas, a terra foi criada primeiro (antes do sol, da lua e das estrelas) e foi especialmente projetada para acomodar milhões de tipos de seres vivos.

Para começar, deve-se entender que astrônomos evolucionistas’têm excluido um Criador por decreto e, ao invés disto, crêem que o nosso sistema solar se formou sozinho.

‘Os astrônomos concordam que os planetas e luas do nosso Sistema Solar se formaram num disco giratório de poeira e gás em volta do Sol. …nas regiões interiores, partículas de poeira se derreteram e grudaram, formando glóbulos quentes de pedra que se esfriaram e mesclaram para formar Mercúrio, Vênus, Terra e Marte.’1

Isto é; de acordo com evolucionistas, o sistema solar foi originado no colapso de uma nuvem de poeira e gás chamada de nebulosa, por isso o termo hipótese nebular. A maior parte desse colapso originou o sol,2 enquanto que os planetas interiores foram formados por fragmentos que se colidiram e fundiram.

Porém, quanto mais os cientistas investigam isso, mais eles percebem que há um problema. Não havia razão para as partículas rochosas derreterem – o que as esquentaria? No mínimo, naquela época o sol estaria mais frio que hoje.3 Então, apenas um pequeno planeta perto do sol – como Mercúrio – poderia concebivelmente ter esquentado o suficiente. Mas, para os planetas mais distantes do sol, os astrônomos admitem que há um problema:

‘Embora pedras do tamanho de asteróides tenham se agregado na região interior do Sistema Solar, elas não teriam derretido e nem se aglutinado para formar planetas. …as pedras’sólidas teriam apenas passado em alta velocidade uma das outras, ou teriam colidido e ricocheteado como bolas de sinuca.’1

Os astrônomos evolucionistas propõem que a explosão de uma supernova aconteceu a uma distância de 50 anos-luz da Terra e supriu a nebulosa com alumínio-26 radioativo, que irradiava calor à medida que se decumpunha. Mas isto requer uma’série de coincidências pouco prováveis, e por esta razão as chances’são ‘remotas’.1

Porém, Dr Clarke não podia suportar a idéia de que a Terra estivesse numa posição favorável no universo, mesmo num cenário evolucionista, como citado no início deste artigo. Isto tem tudo a ver com a crença humanista/ateísta de que a vida na Terra, incluíndo a humanidade, apenas ‘aconteceu’. Portanto, eles esperavam que nossa terra não fôsse equipada de maneira especial nem ocupasse uma localização especial no universo. Então, ele prefere a idéia ‘especulativa’1 citada acima!

Earth

Fatos sobre a Terra

Massa: 5.976x1024 kg (1/333.400 sol, 81x lua

Raio: 6.378 km (equador) 6.356 km (polo) (1/109 sun, 3.66x moon)

Distância média do sol: 149,6 milhões km (1 unidade astronômica (UA)

Área de terra: 148 milhões km2 (29% da área total)

Ponto mais alto: 8.848 m (Monte Everest)

Pontos mais baixos: mar:-11.034 (Fossa das Marianas); terra:-397 m (Mar morto)

Aceleração gravitacional na superfície 9.8 m/s2 (1 /27 sol, 6x lua)

Pressuposições ocultas da cosmologia secular

Esta negação da posição especial da Terra vai mais além, e sustenta até mesmo a teoria do Big Bang. A maioria das pessoas não percebe que esta teoria depende de uma pressuposição filosófica chamada de O Princípio Cosmológico – que não há uma localização ou direção especial no universo. Isto é: o universo não tem um centro e nem tem extremidades.4

Porém, consistente com a Bíblia, nós podemos partir de uma pressuposição diferente – de que a humanidade é especial aos olhos de Deus, e a terra, como nosso lar, mostra, de verdade, evidências da sua singularidade, incluíndo sua posição. Tanto ´um universo com um centro´ quanto ´um universo sem um centro´ são consistentes com a observação de que quase todas as galáxias estão se afastando da Terra, então a escolha é puramente filosófica dentro desses parâmetros.5 Mas, somente a idéia de que a nossa galáxia está próxima do centro do universo se encaixa com todas as evidências, esclarecendo o redshift quantizado (o desvio espectrográfico da luz para o vermelho) que a teoria do universo sem centro tem grandes dificuldades para explicar.6

Conclusão

É claro que não há nada deprimente em pensar que Deus criou a Terra especialmente para a vida, como a Bíblia diz! A evidência científica genuína, ao contrário das pressuposições não científicas, é mais uma confirmação de que nada na ciência autêntica contradiz a Bíblia – ao contrário, ela confirma repetidas vezes a historicidade da Bíblia.

Referências e notas

  1. Earth was a freak, (A Terra foi um acidente bizarro) New Scientist 177(2388):24, 29 de Março de 2003., Regresar al texto.
  2. É um grande problema os planetas terem a maioria da quantidade de movimento angular do sistema solar – veja Spencer, W., Revelations in the Solar System, (Revelações no Sistema Solar,) Creation 19(3):26–29, 1997. Regresar al texto.
  3. Sarfati, J., Our steady sun: a problem for billions of years, (O nosso Sol constante: um problema para bilhões de anos) Creation 26(3):52–53, 2004; Faulkner, D., The young faint sun paradox and the age of the solar system, (O paradoxo do Sol jovem e fraco e da idade do Sistema ) Journal of Creation 15(2):3–4, 2001. Regresar al texto.
  4. Não deve ser confundido com a noção de um universo infinito, o que a maioria dos que acreditam no big-bang rejeita. A superfície de bidimensional de um balão também é finita, apesar de não ter centro nem extremidades.Regresar al texto.
  5. Mesmo Edwin Hubble, o descobridor da expansão do universo, admitiu ‘Tal condição (estes desvios da cor vermelha) implica que nós ocupamos uma posição privilegiada no universo… Contudo, a suposição incômoda de que uma localização favorecida deve ser evitada a todo o custo… é intolerável; além disso, ela representa uma discrepância com a teoria porque esta postula homogeneidade.’ The Observational Approach to Cosmology, (A Abordagem Observacional à Cosmologia) Clarendon, Oxford, pp. 50, 51 e 59, 1937. Regresar al texto.
  6. Isto se refere aos ‘espaços’ regulares no ‘desvio’ na frequencia (quer dizer – cor) da sua luz, e consequentemente às distâncias atribuídas para as galáxias distantes. Veja: Humphreys, R., Our galaxy is the centre of the universe, quantized redshifts show, (A nossa galáxia é o centro do universo, os desvios quantizados da cor vermelha mostram ) Journal of Creation 16(2):95–104, 2002. Regresar al texto.