Also Available in:

Pegadas cretenses pisam na evolução humana

Melhor explicadas pelo modelo criacionista

por
traduzido por Luis Jervell Xavier Silva

Andrzej Boczarowski, uso justoTrachilos-footprint
Uma das pegadas de Creta que os investigadores examinaram. Clique para aumentar a imagem.

Os evolucionistas estão perante uma controvérsia1,2 com a descoberta de pegadas fossilizadas "semelhantes às humanas" alegadamente feitas há 5,7 milhões de anos em Trachilos, na ilha mediterrânica de Creta.

Porquê a controvérsia? Porque, segundo o cenário evolucionista, nessa altura os nossos antepassados humanos encontravam-se apenas em África, tinham pés como os dos macacos, mas só andaram na posição vertical muito mais tarde na história; há cerca de 3,6 milhões de anos.3

As pegadas foram encontradas em 2002 pelo autor principal do estudo, Gerard Gierliński.4 As duas superfícies com pegadas foram examinadas a laser para produzir uma imagem 3D, tendo sido igualmente feito um molde de silicone. Foram também efetuadas diversas medições. Os investigadores concluíram que as pegadas foram feitas por um "hominídeo" e observaram que o responsável pelas pegadas “não tinha garras e era bípede, plantígrado, pentadáctilo e fortemente entaxónico”.1

Para o leigo, tal significa que o mais provável é que as pegadas tenham sido feitas por pés humanos do que por qualquer outra criatura.

Trata-se de uma distinção importante porque o pé humano mostra um desenho espantoso entre os seus 26 ossos, como a capacidade de absorver o choque e de fletir a meio do pé e de empurrar.5

E tal como disse um dos autores:

“Os pés humanos têm uma forma muito distinta, diferente de todos os outros animais terrestres. A combinação de uma planta do pé comprida, cinco dedos voltados para a frente sem garras e um hálux (‘dedo grande’) que é maior do que os outros dedos, é única.”6

O artigo afirma:

As pegadas fossilizadas fornecem informações sobre a presença de um responsável pelas pegadas num dado momento no espaço e no tempo. Deduzir um responsável pelas pegadas a partir de um trilho só é possível quando existem dados morfológicos suficientes e distintos para fazer a ligação entre pegada e culpado.1

Por outras palavras, o observador pode deduzir com um certo grau de certeza a partir da pegada deixada o tipo de criatura que a fez. Seria justo sugerir que a maioria das pessoas concluiria imediatamente que as pegadas foram feitas por um humano simplesmente olhando para uma imagem das mesmas.

Andrzej Boczarowski, uso justoTrachilos-footprint-site
A jazida que Gerard Gierliński descobriu e investigou.Cliquepara aumentar a imagem.

Apesar da conclusão de que as pegadas são muito provavelmente humanas, os autores advertem:

… referimos um exemplo dos desafios de fazer tais deduções quando as implicações vão contra as opiniões convencionais sobre a evolução humana …1

A frase “as implicações vão contra as opiniões convencionais sobre a evolução humana” é um ponto-chave a considerar porque os investigadores sabem que qualquer sugestão que desafie os ‘factos’ aceites é vista com desconfiança — no mínimo.

Tal como observou um dos participantes no estudo:

“Resta saber se a comunidade de investigação sobre as origens do homem aceita pegadas fossilizadas como uma prova conclusiva da presença de hominídeos no Mioceno de Creta.”2

Para os criacionistas bíblicos, não é surpreendente encontrar pegadas fossilizadas — humanas ou outras — porque sabemos que todas as criaturas apareceram (perfeitamente formadas) a comando de Deus na Semana da Criação, como nos diz o Génesis. Portanto, contrariamente aos evolucionistas, os criacionistas não têm qualquer problema em aceitar que as pegadas semelhantes às humanas foram efetivamente feitas por um humano.

Quando encontramos fósseis como este, utilizamos a verdadeira história do mundo que lemos na Bíblia para os interpretar. Esta fala-nos, entre muitas outras coisas, de um Dilúvio cataclísmico mundial que é a melhor explicação para os inúmeros fósseis encontrados em muitos locais em todo o nosso planeta.

A descoberta de pegadas é altamente significativa porque as pegadas significam que a pessoa estava viva na altura. Não poderiam ter sido feitas por humanos pré-Dilúvio depois de as águas do Dilúvio global terem atingido o auge porque só as pessoas que se encontravam na Arca sobreviveram. Uma vez que as pegadas de Creta foram encontradas em sedimentos depositados muito tarde no registo geológico, têm de ter sido feitas após o Dilúvio. A pessoa que as fez seria descendente dos oito indivíduos que sobreviveram ao Dilúvio a bordo da Arca.

Assim, porque a Bíblia é a verdadeira história do mundo, podemos saber com certeza que, como os humanos, todas as criaturas são descendentes dos seus pais de origem e só se reproduzem segundo a sua espécie (Génesis 1). Portanto, quem deixou as pegadas em Creta era um descendente de Adão e Eva, e de Noé e da sua mulher; tal como todos nós.

Referências

  1. Gierliński, G.D., et al., Possible hominin footprints from the late Miocene (c. 5.7 Ma) of Crete? Proc Geol Assoc, August 2017 | https://doi.org/10.1016/j.pgeola.2017.07.006. O resumo do artigo inclui a frase: A interpretação destas pegadas é potencialmente controversa (ênfase acrescentada). Voltar ao texto.
  2. MacDonald, C., The mystery trail of 5.7 million year old fossilised footprints in Greece that could shake up our understanding of human evolution, dailymail.co.uk, setembro de 2017. Um dos autores do estudo, o Professor Per Ahlberg, terá dito: “O que torna isto controverso é a idade e a localização das pegadas” (ênfase acrescentada). Voltar ao texto.
  3. Laetoli footprint trails, humanorigins.si.edu, acedido em outubro de 2017. Voltar ao texto.
  4. Swidel, J., Footprint find on Crete may push back date humans began to walk upright, news.com.au, setembro de 2017. Voltar ao texto.
  5. Oard, M.J., New footprints from Ileret, Kenya, supposed to be from human evolutionary ancestor, março de 2009; creation.com/ileret. Voltar ao texto.
  6. Fossil footprints challenge established theories of human evolution, sciencedaily.com, agosto de 2017. Voltar ao texto.

Mídias relacionadas