Share
A- A A+

Article from:

Journal of Creation  Volume 22Issue 2 Cover

Journal of Creation 22(2):21–22
August 2008

Creation magazine print - 1 yr new subn


US $25.00
View Item
The Creation Answers Book
by Various

US $14.00
View Item

O Catolicismo Romano e o livro de Génesis

Crítica do livro The Doctrines of Genesis 1–11: A Compendium and Defense of Traditional Catholic Theology on Origins [As doutrinas do livro de Génesis 1-11: Um Compêndio e uma Defesa da Teologia Católica Tradicional sobre as Origens] por Fr Victor P. Warkulwiz
IUniverse Inc., Lincoln, NB, 2007

por Michael J. Oard

Book cover

A crença da Igreja Católica quanto ao livro de Génesis capítulos 1 a 11 tem estado num estado de confusão há muito tempo – desde que o uniformitarismo e a evolução entraram em cena. Esta situação é semelhante nas igrejas protestantes, tristemente tanto nas liberais como nas conservadoras. Dentro das igrejas “tradicionalistas”, este livro é uma achega bem-vinda ao livro Genesis, Creation and Early Man [Génesis, Criação e o Homem primitivo] pelo hieromonge ortodoxo russo Seraphim Rose,1 que documentou que os pais da igreja ortodoxa oriental desde o’séc. IV até ao presente quase todos ensinaram uma terra jovem, uma criação literal em seis dias, um dilúvio global e a origem das línguas na Torre de Babel. O livro de Warkulwiz focaliza-se nos ensinamentos tradicionais da igreja católica desde os pais da igreja primitiva e medieval e chega às mesmas conclusões. O livro foi endossado por um prefácio do Bispo Robert Francis Vasa de Baker, Oregão [EUA].

Quem é o Fr. Warkulwiz?

O Fr. Warkulwiz está bem qualificado para escrever um livro destes. Não somente é um padre católico, como também tem um PhD em física da Universidade Temple e trabalhou na indústria durante alguns anos. Ensinou ciência, filosofia, história, astronomia, lógica, química, física, matemática e criacionismo vs. evolução no Magdalen College do Reino Unido. Entrou para o sacerdócio já com idade avançada e obteve um M.Div. e M.A. em teologia, sendo ordenado em 1991. É também um crítico teológico para o Centro Kolbe para o Estudo da Criação,2 uma organização católica criacionista que acredita numa terra jovem.

Sobre o livro

Misturando esta diversidade de áreas, o Fr. Warkulwiz escreveu um livro de 519 páginas não apenas sobre os argumentos científicos a favor do criacionismo da Terra jovem mas também juntou muito sobre história, filosofia e teologia. O livro consiste em 16 doutrinas derivadas de Génesis 1-11, tais como Deus criou o mundo do nada, Deus criou cada coisa no mundo imediatamente, Deus criou cada criatura vivente de acordo com o seu tipo, Deus criou o mundo em seis dias naturais, Deus criou o mundo vários milhares de anos atrás, toda a espécie humana descende do primeiro homem e da primeira mulher e Deus destruiu o mundo que era dantes com um dilúvio mundial. Cita extensivamente os pais da igreja primitiva e medieval, em especial Agostinho, Aquino e Bonaventura. Ele explica o ponto principal de que o ensino tradicional católico sempre foi o criacionismo da Terra jovem. Foi’só sobre a influência do chamado Iluminismo que os teólogos e eruditos católicos se desencaminharam. A influência da evolução culminou nos ensinamentos do padre jesuíta Pierre Teilhard de Chardin, o qual, com a sua “ficção teológica”, mesmerizou muitos católicos para que acreditassem na evolução.

Com base nos seus conhecimentos no campo da física, Warkulwiz tem uma boa percepção de muitos supostos problemas com Génesis 1-11, por exemplo, ele afirma em relação à fonte de luz para os primeiros três dias:

“Uma origem possível para a luz poderão ter sido reacções químicas e nucleares na matéria original da própria terra. Mas, de acordo com a física moderna, não é preciso nenhuma origem. A luz não está presa a uma origem. Uma vez que um fotão de luz deixa a sua origem ele está livre e tem uma existência independente. Por isso a física moderna não tem um problema quanto à ideia de que Deus criou a luz sem ter uma origem…” (p. 173).

Os que defendem uma terra velha fazem uma grande questão quanto à natureza da luz antes de ser criado o sol, no dia 4, tentando justificar a sua interpretação de terra velha. É como se Deus fosse impotente e não houvessem outras alternativas.

O Fr. Warkulwiz compreende a falácia da hipótese documentária, que assume a evolução e que a igreja católica foi buscar emprestada aos protestantes liberais. Vê os problemas com a hipótese do Big-Bang para a origem do universo e que ela contradiz a Bíblia. Acredita vigorosamente na inerrância da Bíblia:

“O princípio da inerrância é totalmente inclusivo; inclui tudo que a Bíblia diz. Negar isto e permitir que a Escritura Sagrada possa estar errada mesmo que num pequeno ponto, é abrir uma caixa de Pandora de cepticismo que leva ao total descrédito da Palavra de Deus” (pp. 12–13).

Os pais da igreja, na quase totalidade, interpretaram o livro de Génesis literalmente

O livro acrescenta muita informação que refuta a ideia de que os primeiros pais da igreja eram indecisos em relação à questão das origens, sugerindo uma variedade de possíveis “interpretações” para o Génesis 1-11. Este é um ponto apresentado por um número de modernos opositores da criação bíblica, tais como o criacionista progressivo Hugh Ross3 e o teísta evolucionista Howard Van Till4, que posteriormente apostatou – o que não foi grande surpresa para quem o conhecia.5

É verdade que Agostinho e Aquino parecia terem crenças heterodoxas, mas muitas vezes estes pais da igreja, assim como outros, simplesmente interpretavam as passagens tanto simbolicamente como literalmente. Eles gostavam de adicionar um significado espiritual aos acontecimentos em Génesis 1-11, interpretados tanto individualmente como em termos da igreja. Eles continuavam a acreditar no significado literal. Agostinho desviou-se da concepção da criação em seis dias literais, mas, em vez de acreditar em idades longas, acreditava que a criação tinha tido lugar em apenas um dia! O cardeal Ernesto Ruffini afirma que Agostinho explicou figurativamente coisas a mais, as quais mais tarde considerou que deveria ter encarado mais literalmente (p. 166). Aquino acreditava na geração espontânea, assim como a maioria dos eruditos do seu tempo, mas também acreditava nos tipos criados [grupos de animais; Génesis 1:24 (espécie = tipo), ed.]. É apenas através de uma análise superficial dos escritos dos pais da igreja que alguns defensores da terra velha e teístas evolucionistas podem alegar que alguns dos primeiros pais da igreja deixaram a questão das origens em aberto.

Fiquei favoravelmente impressionado por algumas das percepções que os pais da igreja primitiva tinham em relação à questão das origens. Muitas das suas ideias parecem modernas. Mas noutras alturas dá ideia de terem levantado hipóteses teológicas para além do estado do conhecimento. Por exemplo alguns dos pais da igreja acreditavam que ADão e Eva viviam no jardim como criaturas assexuadas (p. 304). A maior parte das vezes o Fr. Warkulwiz aponta estes erros e más interpretações, mas outras vezes não faz comentários, o que deixa a impressão de que acredita em algumas destas hipóteses.

Os papas, cardeais e concílios defenderam um Génesis literal—até recentemente

Um outro aspecto interessante do livro é que o Fr. Warkulwiz cita vários concílios da igreja, alguns cardeais e alguns papas que reforçaram o ensino tradicional católico sobre um Génesis literal. Fiquei favoravelmente impressionado com as muitas declarações citadas. Por exemplo, a Comissão Pontifica Bíblica de 1909 rejeitou argumentos que negavam a história literal do Génesis 1-3.

O cardeal Ernesto Ruffini aponta para a conclusão de que ADão deve ter sido especialmente criado porque a Eva foi especialmente criada a partir da costela de ADão:

“Mas se é verdade, como os transformistas aceitam reconhecer, que o corpo da mulher foi formado directamente por Deus e que não surge como resultado da evolução, quem é que será persuadido de que o corpo do homem, o sexo viril, vem de uma besta bruta? Que absurdo!” (p. 269)

Contudo, alguns papas dos tempos recentes fizeram declarações que parecem apoiar a evolução. Warkulwiz afirma que essas declarações estão para além do campo de autoridade dos papas e não’são doutrina oficial da igreja. Além disso, estes papas’são dependentes dos seus conselheiros científicos, os quais sucumbiram à teoria da evolução, à terra velha e ao big-bang. Por isso não é de admirar que alguns dos papas recentes tenham feito declarações sem base bíblica em apoio de uma terra velha ou da evolução. Estas deveriam ser ignoradas.

Algumas afirmações questionáveis sobre as origens

Apesar de fortemente criacionista da terra jovem, encontrei neste livro duas declarações questionáveis em relação às origens. Warkulwiz parece deixar em aberto a possibilidade de morte animal antes da Queda (p. 331), e que os espinhos, cardos e plantas venenosas existiram antes da Queda mas foram criados com um objectivo benéfico para o homem e que Deus deu a ADão e Eva a capacidade de evitar o perigo (p. 302). Génesis 3 torna claro que estes vieram depois da Queda.

O livro foi feito a pensar nos católicos

O leitor deve lembrar-se de que a audiência para o qual está intencionado’são os católicos, não os protestantes, apesar de Warkulwiz usar muitas fontes procedentes do moderno movimento criacionista, algumas das quais estão desactualizadas. Há uma boa razão para isto. Além de ele próprio ser católico, não existe uma teologia bem desenvolvida da criação na igreja católica pois uma maioria dos teólogos, eruditos e cientistas abraçaram o naturalismo teísta (p. xxxv). Estes intelectuais estão provavelmente mais influenciados pelos supostos longos períodos geológicos da geologia uniformitarista do que pela evolução. Além disso, o autor afirma que estas idades longas’têm tido um efeito de entorpecimento na fé dos jovens e Deus é empurrado’tão para trás no tempo que fica quase invisível e irrelevante (p. 9).

Os leitores protestantes é claro que encontrarão alguns aspectos questionáveis no livro, tais como as suas citações ocasionais dos Apócrifos. A Mariologia é inserida em um ou dois lugares. E, é claro, o livro defende a tradição da igreja quase que ao mesmo nível que a Bíblia. Mas pode ser dito em sua defesa que muitas tradições da Bíblia defendem a Escritura, que é normalmente a fonte de muitas tradições.

Se o livro for largamente lido e tido em consideração pelos católicos, deveria originar um renascimento no seu pensamento acerca das origens. Também recomendo o livro para os protestantes, que deverão passar por cima das poucas ocasiões em que se desvia de crenças bíblicas fortemente assumidas. O livro é extremamente e deliciosamente um trabalho do criacionismo da terra jovem.

Referências

  1. Mortenson, T., Orthodoxy and Genesis: what the fathers really taught, Journal of Creation 16(3):48–53, 2002; <creation.com/seraphim>. Regresar al texto.
  2. <kolbecenter.org>. Regresar al texto.
  3. Sarfati, J., Refuting Compromise: A biblical and scientific refutation of ‘progressive Creationism’ (Billions of Years), as popularized by astronomer Hugh Ross, Master Books, Green Forest, AR, 2004. Regresar al texto.
  4. Van Till, H.J., God and evolution: an exchange, First Things 34:32–38, 1993. Regresar al texto.
  5. ‘Nas duas décadas seguintes ele transformou-se no herético que os seus críticos tinham suspeitado’, Manier, J., The New Theology, Chicago Tribune, 20 January 2008; <chicagotribune.com/features/magazine/chi-mxa0120magevolutionjan20,0,2045786.story>. Regresar al texto.

We support belief in an intelligent designer—the God of the Bible. This site was also ‘intelligently designed’. But rather than six days, it’s taken thousands of days. Help us design more information for this site. Support this site

Copied to clipboard
7382
Product added to cart.
Click store to checkout.
In your shopping cart

Remove All Products in Cart
Go to store and Checkout
Go to store
Total price does not include shipping costs. Prices subject to change in accordance with your country’s store.