Explore
To help keep this free information coming, consider supporting CMI with an online end of year donation!
Also Available in:

Oceanos lá embaixo?

por
tradução de Daniel Ruy Pereira (Considere a Possibilidade), revisão de Jadson Oliveira

9553-drowned-below
Ainda há um vasto reservatório de água subterrânea dentro da Terra.

O Dilúvio global de Noé envolveu, entre outras coisas, o rompimento de "todas as fontes do grande abismo" (Gênesis 7:11). Isso sugere um fratura mundial da crosta terrestre e uma violenta expulsão de água, vapores e outros materiais subterrâneos como lava vulcânica. Novas evidências do interior da Terra lançam uma luz intrigante sobre esse cenário de escala global.

Há muito os cientistas têm considerado que o interior quente da terra seria muito seco, porque o calor teria vaporizado completamente toda água. Porém, de acordo com um estudo publicado [por L. Bergeron] na New Scientist (1997), certos minerais, mesmo sob o intenso calor e temperatura debaixo do solo, podem armazenar grades quantidades de água.1 Modelos do manto, a parte da Terra que fica entre o núcleo fundido e a crosta sólida, e especialmente a "zona de transição" entre o manto superior e inferior, agora o descrevem como "ensopado".2

E mais: parece que rochas quentes e hidratadas são mais instáveis que as rochas quentes e secas. Essa nova informação pode agora explicar "porque violentas e massivas erupções vulcânicas inundaram centenas de milhares de quilômetros quadrados [de terra] com lava", como observamos em algumas das diferentes partes do registro geológico.3

Quem poderia pedir por uma descrição mais gráfica do comportamento das "fontes do grande abismo?" É interessante que, ainda hoje, 70% ou mais de tudo o que vem dos vulcões é água, na maioria das vezes em forma de vapor.

Então quanta água está armazenada no manto? Estimativas variam de entre 10 a 30 vezes a quantidade de água de todos os oceanos atuais! É possível que o manto subitamente lance essa água e que a Terra seja "afogada por baixo"? Bergeron concluiu que um "súbito derramamento de água, ao estilo Noé", é improvável.4 Sua conclusão é consistente com a promessa de Deus a Noé, selada com o sinal do arco-íris, de nunca destruir a Terra com água de novo (Gênesis 9:11–17)

Sabemos, a partir das Escrituras, que a água uma vez saiu das "fontes do grande abismo" por cinco meses, e por isso o mundo antigo teria uma vez sido literalmente "afogado por baixo".

Mesmo depois de tudo isso, ainda há um vasto reservatório de água subterrânea dentro da Terra. Sua própria existência, e o efeito dramático que isso tem sobre o interior quente da Terra, indica mais uma vez que as antigas histórias bíblicas não são míticas, mas são fatos históricos e simples descrições de uma sóbria realidade física.5

Referências e notas

  1. Bergeron, L., Deep Waters, New Scientist 155(2097):22–26, 30 agosto 1997. Voltar ao texto.
  2. A crosta terrestre tem, em média, cerca de 25 km de profundidade, enquanto que o núcleo tem cerca de 2900km abaixo da superfície. A zona de transição do manto se extende, grosso modo, de uma profundidade de 400km a 670km. Voltar ao texto.
  3. Ref 1, p.23. Voltar ao texto.
  4. Ref 1, p.26. Voltar ao texto.
  5. [Atualização do tradutor: Como esse artigo é muito antigo, de 1997, achei importante ir atrás de refutações a esses achados. Afinal, poderiam estar errados. Encontrei esse link aqui, da Revista Scientific American Brasil, sem data, ( http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/diamante_raro_confirma_existencia_de_oceano_no_manto_terrestre.html) que divulga os achados de Graham Pearson da Universidade de Alberta, no Canadá. Mas o achado vem da nossa querida Terra Brasilis, Mato Grosso. Como foi parar no Canadá? Em 2009, O estudante de graduação do Pearson comprou uma amostra lá no Mato Grosso e, por acaso, achou ringwoodita lá (o que demorou alguns anos para ser confirmado). Com a ajuda do Google, encontrei a fonte, de 12 de março de 2014, publicado na Nature. Isso mesmo: notícia fresquinha.
    Vou manter o suspense, mas vou só adiantar o título da manchete: "Mineral raro aponta para vastos "oceanos" embaixo da Terra". Interessante não? (http://news.ualberta.ca/newsarticles/2014/march/rare-mineral-points-to-vast-oceans-beneath-the-earth).] Voltar ao texto.